quinta-feira, maio 31, 2007

E na novela mexicana: Entre a cachorra e a mulherzinha...


Nos últimos capítulos, a protagonista de nossa história Janaina Das Loucas Bitencourt esta convencida (e ainda esta) de que esse romance recheado de sexo e sacanagem chegaria ao fim (afinal protagonista de novela mexicana sempre acaba com o mocinho rico da novela). Não sabia se colocaria o fim nisso tudo neste mesmo dia, mas estava convencida, seria dura, daria mostras de que aquilo não poderia dar certo, porque essa novela tinha que continuar.

Então que Roberto Valente, chega à casa de nossa protagonista, a encontra decidida e determinada. Sente no ar a atmosfera pesada. Decide abrir um vinho, toda mocinha de novela mexicana é fraca pra vinho.

Meia garrafa de vinho e onde se encontra a nossa heroína? Oh meu deus!! Esta tudo indo por água abaixo... Ela esta... esta... esta... Cozinhando!!!!!

Seu lado mulherzinha aflorado... Seu lado cachorra tentando trazer de volta a sanidade mental dessa mulher. Após o jantar, onde ela ficou toda feliz por ter sua comida elogiada. Essa briga interminável entre seu anjinho e seu diabinho, fizeram que nossa amiga enfiasse a cara no vinho.

Duas garrafas de vinhos depois, Janaina Das Loucas Bitencourt, sentia-se livre pra falar o que quiser. E começou a falar sandices no seu alto grau etílico (claro queridos leitores, tudo isso montado em um salto 15, e uma maquiagem de massa corrida, como nossas amigas mexicanas devem usar). Então Janaina Das Loucas Bitencourt, não tendo domínio sobre a sua língua adormecida pelo vinho, solta a pérola (a primeira de muitas) “LU acha que tenho que te dar um tiro de misericórdia...”. A câmera fecha-se em ângulo na cara perplexa de nosso galã, que não entende o que acontece nesse momento. Deve passar em segundo em sua cabeça, milhares e milhares de perguntas, sem resposta. Quem seria essa Lu, porque seria cruel a ponto de desejar-lhe a morte???

Nossa protagonista meio atordoada, tenta em vão juntar o leite derramado. Mas leite espalhado no chão nem lambido se junta. Sentido-se cobrada e pressiona, decide dar uma explicação satisfatória para a questão, tentando não magoar os sentimentos do nosso galã, ela diz: “Lu, é uma amiga minha que me acha doida por sair com vc, sendo vc mais novo... Ela acha que me amarrei no teu borogogó”. Isso já estava quase virando uma comédia pastelão. Após alguns recados endereçados a Lu (que serão devidamente repassados no MSN), a história ficou para trás. Tentando contornar toda essa situação, já que nossa mocinha, ainda gosta de sexo, e estava muito frio ontem à noite, diz que pelo menos, sua amiga vaca acha que ela deve permanecer nesse relacionamento, ao menos para ter sexo vez enquando.

Calando a boca subitamente, Janaina Das Loucas Bitencourt, pensa que deve ficar de boca fechada. Mas estranhamente o vinho também, faz efeito em nosso galã e ele ri, simplesmente ri. Ele simplesmente ri, queridos leitores!

Passando para parte mais interessante de nossa história, nossos protagonistas, passam a noite em cenas tórridas de sexo (com algumas falas e recados ao meio de risos, que serão repassados como todos os outros)... Nossa amiga acorda com várias sensações, boca seca, sapo na garganta, ainda com todas as dúvidas (mas calma, isso é para dar um suspense a trama, porque no fundo todos nós sabemos o que vai acontecer). Olhou para o sapo amarelo roubado na mesa do lado de sua cama e teve uma única certeza: Precisa de uma pílula do dia seguinte...

** Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com realidade é mera coincidência.

6 comentários:

ki-colado disse...

O bom é viver simplesmente...

Dani disse...

Poxa, vc falar pro cara que a Lu achava que vc tinha q dar a ele um tiro de misericórdia foi fodaaaaa!!! rsrsrs
Mas ainda bem que rolou a festa no apê..agora vai logo comprar essa pílula pq acredito que vc n quer dar ao Bernardo um irmãozinho por agora.
Bjsss

Girassol disse...

Muitas vezes, curtir o momento torna-se a decisão mais sábia.
Bom, se você disse isso para ele, ele riu, e a noite foi escaldante... que mais pode querer?!
Está tão raro encontrar homens que não tenham uma síncope ao descobrir que não somos dependentes deles e muito menos os reis do nosso universo particular..
E qual o mal de ser mais novo? Pode até ser vantajoso, rs!!
Só trata logo é da pílula, antes que algo dê para o torto, e tenha você a síncope!!

Beijos

Sujeito Oculto disse...

Esta é uma obra de realidade, qualquer semelhança com ficção é mera coincidência.

Estava Perdida no Mar disse...

Nossa...Maria do bairro está morrendo de inveja. Hahahaha. O problema é só a pílula do dia seguinte...mas isso é fácil de resolver. Custa barato.
Cara, para pra pensar, fica com esse cara. Ao menos vc terá muitas histórias para contar para os seus netos...hahahahaha! Sem contar que acompanhar a saga da Jana/Iemanjá das loucas é muito bom.

Cirilo Veloso disse...

Corre já pra farmácia! kkk