quarta-feira, dezembro 29, 2010

2011


Porque o que vier, é lucro! Que 2011 seja ao menos um cadim mais facil do que este ano miserento que se vai.! Feliz ano Novo Pessoas!







"Bom, feliz talvez ainda não. Mas tenho assim... aquela coisa... como era mesmo o nome? Aquela coisa antiga, que fazia a gente esperar que tudo desse certo, sabe qual?

— Esperança? Não me diga que você está com esperança!

— Estou, estou."

Caio F.





quarta-feira, dezembro 22, 2010

Agradecendo ao Papai Noel

-> Estou excluindo todos os e-mails de Feliz Natal sem ler. Ogro sim!

-> Se ma mandarem mais algum e-mail com projetos sociais para ajudar no Natal, eu vou sugerir que ME ajudem, porque to precisada também. Banco Itáu, Ag: 0280, C/C...

-> Velinha da LBV no supermercado pedindo um quilo de alimento, perguntei onde me escrevo para receber o meu quinhão.

-> Vida triste severina, quando achei que final de ano ia dar uma melhoradinha, destino veio e cagou na minha cabeça, bem ao estilo “pegadinha do malandro”.

-> Se entrar em mais alguma loja e ouvir “Então é Natal” da Simone a próxima notícia que irão ver ao meu respeito será no Datena!

-> Não fiz as compras da ceia e se não fosse Bernardo nem iria fazer.

-> Querem me dar presente de Natal, eu mando a lista de materiais do Bernardo, que tá de fuder qualquer vida.

-> Dizem os espiritas que escolhemos a vida que vamos levar, pois precisamos aprender com isso. Ou eu fui muito burra ou fui muito masoquista. Porque juro que “me matava” por ter escolhido esta! (E nem espirita eu sou!)

-> Amigo, tentando ser otimista e rosa no final de ano: “Fica assim não, o sol mais cedo ou mais tarde brilha para todo mundo” Eu respondendo “Pra que mora em cobertura brilha mais”. Cagando pro espirito natalino.

-> Todo mundo aqui veio com a ideia de amigo secreto de final de ano. Disse que não ia participar. Desistiram de fazer porque sou anti social. Em uma empresa de 150 pessoas que diferença faria eu participar ou não? Se catar!

-> Ainda faltam 9 dias pra esse inferno acabar, estou esperando porque com a minha sorte vem mais coisas boas por ai.


Obrigada Papai Noel, pelo ano “maravilhoso”, toma o teu presente:



sexta-feira, dezembro 17, 2010

News

-> Então que eu queria mudar apenas os comentários que eu odiava forever, mas como não deu,  Renata em deu um blog novo rs. Gostei, um pouco de cor nesse meu mundo preto e brando. Parte ruim, os coments antigos sumiram.

-> E dezembro, é natal, é tudo aquilo que eu odeio do fundo do meu coração. Nem vou contar que é pra vocês não ficarem com peninha, mas as coisas por aqui andam tão cu, que eu to mais desanimada que o costume.

-> Pode ser que isso aqui me anime um pouco e a cara nova traga de volta a inspiração. Não garanto posts profundos e filosóficos, ando meio podre.

-> É vem coisas de nível.

-> Acabei de descobri outra coisa ruim, não acho os links dessa naba, para colocar o link da Rê. Sou uma anta!

quinta-feira, dezembro 16, 2010

Murphy... Sempre Murphy!

Caralluma, este é o nome da ervinha do momento no que se refere a dietas e emagrecimento. Todos os sites que você entra bambam histórias de sucesso! Gente que eu leio diz que emagreceu, que tirou a fome que tal e coisa. Uma maravilha!

O que você faz? Eu claro, comprei a tal ervinha, porque também quero sentir esse barato! Uma semana tomando o troço e nada, nem uma estrelinha, nem uma falta de fome, nada!!! Ok, ok respira é natural deve demorar pra começar a fazer efeito. E dele a tomar minhas 120 capsulas!

Fim de semana passado numa matéria num telejornal ai que eu não me lembro qual com especialistas (adoro especialistas em algo) falando da Caralluma:
“Os especialistas não sabem porque, mas em uma pequena parte da população a Caralluma não causa efeito algum"

Obrigada Murphy!

quinta-feira, dezembro 09, 2010

segunda-feira, dezembro 06, 2010

Sempre odiei o coelho da Alice

Eu sou aquele tipo de pessoa que se marcar algo as 15hs vou estar lá 5 minutos antes.
Se combinarmos na segunda que vamos no inferno no sábado, nem precisa ligar para confirmar, no sábado vou estar lá na porta do inferno te esperando. Odeio me atrasar, odeio que se atrasem. Marcou? Cumpra. Vai desmarcar? Mate a mãe pra justificar.

Odeio falta de consideração. Odeio gente que simplesmente acha que pode marcar e não aparecer. E eu acho que tenho tanto pavor a gente assim, que Deus (o piadista do século) me deu uma irmã com tudo isso. Uma pessoa que NUNCA chega a lugar algum na hora marcada. Uma pessoa que simplesmente não aparece para cumprir o combinado e não se indigna a dar uma explicação. Acho que todo mundo sabe que já existe celular e que ele só é útil ligado!

Vai se ferrar, não aparece, não conhece o significado das palavras consideração e compromisso, não aprendeu a pedir desculpas e ainda acha que não fez nada de mais!

domingo, novembro 21, 2010

Uni Duni Tê

Bernardo:

- Mãe, tudo na vida é lógica, Uni Duni Tê, se você fizer o cálculo, já sabe quem vai ganhar.




Eu pensando:


"E que cálculo a gente faz pra ser feliz?"

terça-feira, novembro 09, 2010

Querido John*

* Se você não leu o livro, não viu o filme (e ainda pretende faze-lo), não leia o post.


Então que acabei de ler Querido John (Nicholas Sparks), li em dois dias. Não eu não vi o filme ainda, e nem sei se vou ver, uma vez que sou a pessoa mais atrasada em filmes que conheço (O Ensaio sobre a Cegueira, ainda esta na minha lista). Gostei do livro, mas mesmo não tendo assistido ao filme, lá pela metade já previ o final. Isso não impediu claro que eu chorasse, risse e torcesse por algo que estava previamente anunciado que não iria acontecer.

Em cima do tema principal do livro – quando se ama verdadeiramente, se abre mão em função da felicidade do outro – era este o único final esperado. Eu sei que tenho essa coisa, e tento não aparentar ser nem um cadim romântica, mas eu sei (e alguns de vocês sabem) que lá no fundo tenho a minha veia de água com açúcar bem acentuada, então mesmo achando o livro lindo, eu esperava algo grande no final, algo feliz, um conto de fadas bem do tipo “viveram felizes para sempre”. Não que eu tenho me decepcionado, não foi, pois como disse, se propôs ao que veio.

Mas nem era sobre isso que eu queria falar. O que me deixou pensando é que seu eu seria altruísta a esse ponto sabem? Se eu deixaria O grande amor da minha vida, simplesmente para que esta pessoa fosse feliz (com outra claro). E eu me dei conta que eu já fiz isso, que uma vez na minha vida eu tive esse “nobre” sentimento e deixei ir. E quis mesmo que fosse feliz com outra. O que eu acho que nunca comentei por aqui é que me arrependo muito disso. Eu deixei todo meu altruísmo (se é que existiu um dia) e assumi que sou egoísta.

Hoje eu não abriria mão facilmente, hoje eu não seria tão complacente. Hoje eu não desejaria a felicidade dele, mesmo eu estando um caco. O que mudou? Sei lá, perdi um pouco da ingenuidade, ganhei umas pontinhas de rancores, assumi meu lado egoísta... Eu sinceramente não sei.

Mas fico me perguntando, será que fui sincera quando abri mão de quem eu amava em função da sua felicidade? Será que no fundo eu não estava esperando apenas ser recompensada de alguma forma?

Tsc!

terça-feira, outubro 26, 2010

E o que resta é silêncio...

Hoje eu me dei conta. Eu tinha 10 anos quando meu pai morreu. Tenho 31 anos. Ou seja, eu passei mais tempo da minha vida, mais de duas décadas, 21 anos (!!!) sem meu pai. Tenho apenas 10 anos das melhores lembranças da minha vida.

Meu pai erra turrão, bruto e rude num primeiro momento. Mas não era o tipo de pessoa que a “primeira impressão é a que fica”. Ele pegava um chinelo fofo para me bater, fofo gente! Porque meu pai era da geração onde a palmada era necessária, mas sentia tanta dor fazendo isso que dava uma chinelada de chinelo fofo.

Meu pai não sabia ler nem escrever, mas esta pra nascer a pessoa que ganhasse dele numa conta, ou num negócio. Era um pão duro nato, mas nunca conseguiu negar nada para os filhos e nem para estranhos. Era qualquer pessoa chegar falando algo triste, contando aquela história triste que ele já ia tirando a carteira. Me lembro da vez que ele nos fez (eu e minha irmã) tirar o casaco para dar a duas meninas que encontramos na rua. Colocou as crianças no caro, levou para o supermercado, comprou roupas, deu comida, banho e levou-as para casa, quando chegamos lá e ele viu que a família não tinha banheiro comprou material e contratou um pedreiro para construir um. Sabe ele era esse tipo de pessoa, que no inicio intimidava, mas depois você via que o coração dele era compatível com a altura.

E tinha cada pérola: “filha minha tem que saber montar” - e eu aprendi a montar; “a coisa mais feia é menina arrotando” - e eu não sei arrotar até hoje; “homem mija, menina faz xixi” - e é xixi e pronto; “almondega não é carne” - essa foi a única que eu não adquiri, pra mim é carne. Tinha cada filosofia, uma vez numas das diversas brigas que eu tive com a minha irmã, ele nos amarrou cara a cara, a gente não conseguia nem nos mexer e sentenciou: "vocês são irmãs, vão ser irmãs o resto da vida, não tem como mudar, e só saem dai quando aceitarem esse fato e aprenderem a conviver como irmãs".

Foram apenas 10 anos, mas pensando agora acho que tenho mais lembranças destes anos dos que os 21 que se seguiram, não sei se porque quando ele morreu eu me esforcei para guardar tudo, pois nunca mais teria nenhuma nova lembrança. Consegui guardar tanta coisa... A única coisa que não guardei e por mais que eu me esforce, por mais que eu tente, eu simplesmente não consigo me lembrar da voz dele, faz tanta falta.

Esse fim de semana revi “UP” com o Bernardo, e no desenho o escoteiro comenta algo sobre as lembranças boas que ele tinha com o pai, eram chatas olhando de fora, mas para ele era o cotidiano as melhores lembranças. É isso, é das coisas do cotidiano que sinto falta, não das grandes viagens, eu sinto falta de ler o classificado de gado leiteiro todo domingo pela manhã pra ele, de escolher a dedo o nome de todas as vacas da fazenda. De viajar gritando para as pessoas na estrada “olha o chico na estrada!” (eu até hoje não sei o sentido disso, mas era divertido!

Eu demorei todo esse tempo pra me dar conta que vou ter sempre mais tempo da minha vida sentindo a falta dele do que eu convivi com ele.

E o que mais me dói é que vou ver meu filho passar por isso, mesmo que o pai dele não tenha sido lá essa maravilha. Um dia vai ser o dia dele se dar conta.

sexta-feira, outubro 22, 2010

Sindrome de gente grande

Bernardo puto da vida ao telefone:


- Mãe, essa professora acha que eu não tenho nada pra fazer da vida!*


- Mas o que você tem pra fazer da vida?


- Jogar video game, ver meus emails, falar com meus amigos, brincar...







* Tudo isso porque ela mandou os alunos passarem a limpo no caderno as anotações que fizeram no passeio.

quarta-feira, outubro 13, 2010

segunda-feira, outubro 04, 2010

Piedade de nós, Senhor!

Tiririca foi o Deputado Federal mais votado, com mais de 1,3 milhões de votos.

Sabe o que eu tenho vontade de fazer com esse povo todo?

Afogadar na privada!!

Gente com merda na cabeça!!!

sexta-feira, setembro 24, 2010

Minha nada mole vida

Nota fiscal recebida de um cliente (claro que o cabeçario esta oculto, para preservar a privacidade do mesmo)


Minha nada mole vida... Sem comentários...
PS: Eu ainda não to 100% mas to legal, qquer hora eu comento sobre o post abaixo



segunda-feira, setembro 13, 2010

Luto

Porque os bons vãos cedo?

Das coisas que simplesmente eu não consigo entender...

E dizem que Deus é justo.

Triste, irremediavelmente triste.

Luto.

quinta-feira, setembro 02, 2010

Tópicos



# Lembram daquele gerente que pra proteger o seu me deu aquele aumento medonho e vergonhoso? Pois então, foi demitido ontem! Ele e mais uma cambada de gente. De todos só fiquei mesmo chateada pelo Supervisor Florestal. Eu e toda empresa, ninguém entendeu.

# Então que este supervisor estava organizando um evento e com a saída dele, adivinhem para quem sobrou? Dou um doce pra quem disse eu!

# Ainda no mesmo assunto. O gerente mais cotado para assumir o cargo de gerente geral da empresa é o meu gerente de setor, e diga-se de passagem o único que tem competência mesmo para tal. Esta rolando até uma enquête entre os funcionários e ele é o mais votado. Eu, já na torcida para que seja ele, estou por cima da carne seca (pq ele me adora e eu adoro ele) e to louca que ele assuma, praquele monte de gente que finge que trabalha descobrir o que é bom.

# Hoje a minha colega crente, mas assim gente, crente ao cubo, crente, crente, crente.. Entenderam né? Me convidou para ir no sábado ao Baile da Cerveja dançar forró. Medo!

# Ainda sobre a colega crente. Mulherada toda no banheiro e alguém disse que agora quando entrar a primavera toda mulherada vira flor. Eu me adiantei e disse que queria virar uma maria trepadeira. A crente de dentro do banheiro: “Eu também, eu também!” Mais medo!

# Ontem eu briguei com o Bernardo e to com um peso enorme na consciência por conta disso. Já pedi desculpa mas não passa. Me odeio quando brigo com ele porque eu to estressada e puta da cara e ele não fez nem de longe por merecer.

# Decidi que vou fazer dança de salão. Preciso conhecer gente nova e acho que vai ser um jeito legal. Só tem dois porem, os preços das escolas que eu liguei são fora da casinha. E eu vou pagar o maior mico da minha vida, porque o estilo de dança que melhor danço é o estilo “porta”. Dura e quadrada. Mas eu vou e não to nem ai. To pagandoooo!

# Descobri que desbloquearam o meu gmail e mais trocentos outros sites na minha máquina, mas ainda to quieta, vai que eu saio usando e me pagam no flagra! hahaha. Como se eu tivesse tempo mesmo pra isso!

# Para aqueles que estão recebendo a série "A Jeitosinha" eu sei que estou devendo o final, mas a semana foi power, prometo que amanhã eu mando todos os capítulos faltantes. Juro!

domingo, agosto 29, 2010

Reencarnar


Deixemos de lado toda questão religiosa e a eterna pergunta “o que existe do outro lado?”, pois este não é o ponto do texto e nem o motivo para usar a palavra. Seguindo a linha do texto publicado pela Clara-Lu, onde : “alguns períodos existenciais são tão bem delimitados que se pode dizer que saímos de uma vida pra começar outra. (Sobre!) vivemos coisas que, de tão fortes, encerram um ciclo e dão início a outro” – fiquei digerindo a idéia de escrever sobre minhas reencarnações, em todos aqueles momentos que me quebrei em pedacinhos e me juntei novamente, colando caquinho por caquinho, que sabemos nunca fica igual ao original, é um novo ciclo, uma nova “vida”... Um reencarne.

A primeira vez que morri, tinha 10 anos e simplesmente me acordaram de madrugada para uma nova vida, uma nova realidade, eu não tinha mais pai. Parafraseando novamente Clara-Lu “dormi criança e acordei adulta”. Foi a primeira vez que vi e me dei conta que era possível ser completamente devastada e tínhamos que continuar acordando e seguindo em frente. Foi a primeira vez que senti raiva e dor da/pela mesma pessoa. E foi a primeira vez que me vi descrente de tudo.

Minha segunda morte se deu, quando me dei conta que minha rebeldia era injustificada, que o mundo não era contra mim, que absolutamente ninguém tinha culpa, que ninguém era o carrasco. Foi então que voltei pra casa.

Eu acreditava no amor, eu estava feliz e eu simplesmente não queria outra vida. Foi assim que morri pela terceira e quarta vez. E eu explico. Na terceira me arrancaram toda essa felicidade, pois simplesmente não é possível sentir por dois. É impossível querer por dois e sem sombra de dúvidas o amor de um nunca vai ser suficiente. Foi nesta minha morte “imposta”, que tive minha quarta morte. Por vontade própria tentei literalmente morrer. E não tendo conseguido passei um bom tempo no limbo até entender, a duras penas, que assim como não se pode amar por ambos é indispensável que saibamos amar nós mesmos.

Minha quinta morte. Uma morte feliz. Aprendi que a única pessoa que podemos amar mais do que nós mesmos são aquelas que colocamos no mundo. Então veio Bernardo e me mostrou que um novo ciclo, por mais dificuldades que pode trazer, pode ser imensamente gratificante. Vi que por este amor valeria a pena morrer.

Pela sexta vez, uma morte bem menos traumática, mas ainda um novo iniciar. E esta quase todos vocês acompanharam por aqui. Foi quando depois de uma casa montada eu fui simplesmente trocada. Doeu? Na época sim. Mas hoje vejo que sofremos muito por coisas que simplesmente não temos o que fazer. Por orgulho de ter que assumir seus próprios erros.

Quando tive que sair do meu apartamento, para vir morar no cu do cu do mundo, morri pela sétima vez. Tenho que engolir sapos, engolir a língua e conviver forçadamente com gente que não quero. Tenho que aceitar as regras alheias e tenho praticado todo dia o dom do silêncio para evitar mais brigas.

Fiz as contas e ponderei, e acho que ainda não renasci, estou aqui ainda do outro lado, no limbo, esperando a hora, a chance, o jeito de reencarnar e encarar minha oitava vida.


Não é um bocado de vida pra caber tudo em uma só?

quinta-feira, agosto 26, 2010

E Eu?


- To aqui tentando parir um texto, que um dia eu prometo que sai, mas parece parto de burro, 11 meses

- To ensinando o colega novo de outra filial, a fazer 1/3 do meu serviço pela filial dele (e eu acho que não vai rolar)

- Como to dando uma de professora, todas as minhas coisas estão paradas, e eu to cada vez mais ferrada

- To com uma puta dor de estômago, porque ando estressada

- To bemmmm feliz porque meu chefe ferrou com meu feriadão e marco reunião na filial do interior dia 03/04 de setembro

- Como podem ver eu estou ótima!

sexta-feira, agosto 06, 2010


Então que estou esperando meu aumento de salário há quase quatro meses.Ontem o gerente aqui da filial me chamou pra falar que saiu:

- Conseguimos, com muito esforço, teu aumento, por puro merecimento, pela competência.. bla bla bla bla

Falou, falou e não disse de quanto ia ser o tal do aumento. OBVIO que eu perguntei... Eu devo ter olhado para ele com olhos assassinos e expressão de
"como é que vocês tem coragem de me oferecer isto?", porque ele tentou remendar: "são muitos caminhos a serem galgados..."

Tava tão fula, mas tão fula que perguntei se ele realmente concordava com o aumento oferecido pela Matriz, se ele realmente achava que meu trabalho valia aquilo e se era somente eu que enxergava um monte de supervisores por aqui passando emails o dia todo sem fazer nada, ganhando um gordo de um salário,  enquanto eu estava fazendo uma média de 10/12 horas diárias, resolvendo não só as minhas questões, mas também coisas de mais duas filiais, sendo que nestas tinham pessoas encarregadas para fazer isso, ganhando o mesmo salário que eu ganho e que simplesmente não davam conta, mesmo com o fluxo três vezes menor que o meu. Em dois anos que estou aqui, minhas funções quadruplicaram e em nenhum momento eu deixei de cumprir a minha parte. Terminei simplesmente perguntando se ele achava realmente justo, se ele simplesmente acreditava que era isso o merecido?

Ele disse que não era justo, mas que não podia ir contra a decisão da Matriz, contra a escala cargos e salários e que era por isso que agora este mês  a empresa iria fazer a Pesquisa de Opinião do Colaborador, para que todos possam dizer o que pensam....

Eu agradeci, e acabei dizendo que eu poderia dizer o que eu pensava para ele mesmo e que se ele prestasse atenção aos funcionários não era necessário nenhuma pesquisa de opinião para saber o que estava acontecendo: "Insatisfação e desânimo. Quando chega o final de ano e estamos contando (e nos matando) em função do PPR é simplesmente absurdo que a empresa compre estoque para o ativo, simplesmente para não distribuir aos funcionários o PPR, mesmo sendo dois meses depois da diretoria ter se dado ao trabalho de vir aqui falar do belo trabalho que fizemos e dos ganhos que teríamos com o PPR; Que era frustrante ver alguns com salários astronômicos e tantos com salários tão baixos; Que era no mínimo absurdo ter um pedido de compra recusado por contenção de despesas quando todos sabem que a empresa paga a TV fechada e a luz particular dos seus gerentes... (alguns bla bla bla depois)... Mas que pra mim o que era decepcionante mesmo é ver que a pessoas para protegerem o "seu" deixassem de brigar pelos seus.

E sai da sala.

Desci, obviamente, vindo arrumar as minhas coisas porque depois desta era certo que eu tava na rua. Mas não, me mandou um email dizendo entender a minha revolta e com um monte de bla bla bla explicando o porque de não poder fazer nada.

Agora me diz! Como um gerente de filial, com mais de 30 anos de empresa não tem voz ativa???
E Papai Noel vai bem?

Tsc!

domingo, julho 25, 2010

Desmoronando

Ando tão cansada. Tão vazia. Meio indo sem saber onde. Deixando me levar, pra lá, pra cá. Não importa mais. Tão descrente em qualquer coisa superior que olhe por alguém, por mim. A boa mocice não me adiantou de nada, deve ajudar alguém, deve atrair sim, coisas boas. Mas sei lá, não aconteceu comigo.

Cansei mesmo. Nada muda, e tudo piora. Eu ando escrevendo tão pouco aqui, pra não ficar me queixando, lamentando. Porque ninguém tem obrigação de ler isso, mas então vi que essa porra é minha, se não querem ler, sintam-se a vontade, e saiam, vão fazer algo bem mais proveitoso. Sabe um peido pra quem já ta cagado? A gente diz que não liga, não faz diferença. Mas é uma baita de uma mentira. Qualquer peido é uma merda total.

Meus pecados devem ser enormes. Se existe mesmo outras vidas e carmas a serem pagos, eu nessa encarnação to pegando todos. Se a gente escolhe mesmo o que viver, eu sou uma idiota total e completa. Porque eu podia dividir em trocentas vidas, mas resolvi passar tudo nessa.

Eu só quero que venha tudo de uma vez, sabe? Porque essa coisa de ir piorando a prestação, não agüento mais não. Prefiro a enxurrada completa. Depois você se seca, cura a gripe, mas deu, acaba. O que não suporto mais e essa coisa conta gota. Não são sou forte como alguns pensam, o que eu tenho é, pra muitos, uma boa fachada. E somente bem poucos sabem que não sou nada disso.

Será que existe um limite? Um limite para se surtar, eu to quase lá. Eu to quase perdendo a vontade de levantar todo dia, ou de voltar pra casa. Sabe, se desse pra sumir, eu sumia.

Não da mais pra engolir os sapos meus de todo dia. Não consigo mais olhar pra cara dessa gente todo dia e fazer cara de paisagem. Família? Eu não sei o que isso significa a muito tempo. O coração, um cactus. E eu nem to ligando.

Eu desejo coisas horríveis pra uma pessoa, e nem consigo me arrepender disso. Eu não consigo achar isso ruim. Eu acho que isso seria a solução. Nada louvável não?


Eu não consigo mais, é isso.

sexta-feira, julho 16, 2010

Eu vou, eu vou...

Pra Curitiba agora eu vou!

É isso ai gente, semana que vem estou em Curitiba.

Bem afim de uns programas legais... Chop? Um japa? Um fondue?

Alguém? rs


PS: Annna!!! Já é certo que a gente se encontra né...
Ps2: Gente eu vou viajar a trabalho! hahahahaha

quinta-feira, julho 08, 2010

Duplo Sentido

Então eu estava lendo o texto Duplo Sentido - Fabricio Carpinejar , e defini que sou meio como ele: "Uma palavra certa e a vontade não me larga mais o pensamento".

Guardada claro, as diferenças diretas entre homens e mulheres,principalmente no assunto relacionamento sexual, sendo eu (principalmente na adolescência) a convencida e não a que convence... E outras coisas obviamente impossíveis (eu não sou retrátil) do texto, me vi nele. Onde uma palavra basta pra me atiçar o pensamento...

E ultimamente só o pensamento, porque eu ainda ando numa castidade absurda...

sexta-feira, julho 02, 2010

E o Brasil?


- Eu odeio dizer isso, mas bem que eu avisei...

- É isso que dá, foram colocar um colorado para dirigir a seleção! Quando era um gremista a gente trouxe o penta...

- Aquele Felipe Melo tem titica de galinha na cabeça não tem?

- O Kaka e o Luis Fabiano estavam em campo? Eu juro que não vi!

- Aquele juiz deveria ter dado mais 5 minutos de acréscimo só pelo tanto que conversou na partida, te contar.

- O mal de fazer gol no início do jogo é isso, Brasil sempre acha que ta com a vida ganha... como todo brasileiro...

- A parte mais chata é que agora é todo mundo trabalhando até as 18hs de novo...

- O que vão fazer com todas as vuvuzelas compradas? Atucanar a vida do Dunga no regresso é uma boa ideia.

- Anotem ai, a Argentina leva essa copa e vamos ter que aguentar los hermanos por 4 anos!

quinta-feira, julho 01, 2010


Quando você recebe seu contracheque (holerite) grampeado com propaganda da uma financeira, você percebe que finamente a empresa se deu conta que te paga mal, muito mal.

Mas ai você também tem certeza que ela não vai fazer nada sobre isso...



Nada além de mandar você se virar sozinha!

terça-feira, junho 29, 2010

Rapidinhas


 - Então, querem ver que agora que eu de fato me animei com a copa o Brasil desanda?

- Será que o Elano joga? Saudades do Elano...

- Eu tava vendo o jogo da Holanda, não lembro o nome de nenhum jogador, mas tem cada coisa linda naquele time!

- Esse esquenta/esfria/esquenta/esfria do tempo só serviu pra ferrar de vez a minha garganta. Aqueles que já falaram comigo por tel sabem que naturalmente minha voz já é rouca, agora multipliquem por 3... ta algo bem pior que a Cicarelli.

- Porque trabalhar com mulher é tão difícil?? Aqui na empresa tem meia dúzia em mais de 100 funcionários, destas sobram umas duas que não cuidam da vida alheia, o resto passa mais tempo fazendo intriga no corredor do que de fato trabalhando.

- Eu to a quarenta minutos com o email aberto pensando no que vou escrever ... E tudo que consigo pensar era que deveria estar na minha cama, com um chá bem quentinho e desligada do mundo.

- É isso, desisto, vou pra casa, tomar chá, deitar e me fingir de morta até amanhã.

domingo, junho 20, 2010

No jogo do Brasil

- Vontade de socar aquele bando de jogadores da Costa do Marfim, que não tem um pingo de espírito esportivo, e perdendo, partiu para agressividade e ataque aos nosso jogadores.
- Vontade de socar o Dunga, que não me tira o Kaka antes da expulsão! O Kaka tava lá de cabeça quente como qualquer mortal, o treinador que tinha que poupá-lo
- Vontade de socar aquele juiz que entrou na fita dos jogadores da Costa do Marfim e expulsou o Kaka.
- Vontade de beijar o juiz quando se fez de cego e não viu "a mão de Deus" do Luiz Fabiano.
- Enfim o Brasil parece mais parecido com o que a gente espera da selação. Ainda não conveceu, mas que já melhorou e muitooo, isso sim.
- Gente, eu adoro o Elano. Acho bonitinho, acho fofinho, acho boa gente... Dó de mais quando saiu carregado... Deixa eu ir lá cuidar dele, deixa Dunga?
- Bem eu só espero que contra Portugal o Brasil entre pra jogar de verdade e não ficar tocando bola só porque ta com a vaga garantida...

quarta-feira, junho 16, 2010

Patati... Patata

- Todo mundo sabe que eu adoro frio. A única coisa que me incomoda é esse povo que assim que começa esfriar, saca os casacos do armário, sem nem lavar ou ao menos pegar um sol... Perfume de naftalina impregna no ar... Uma beleza minha gente, uma beleza!

- Desesperadamente com vontade de comer fondue... Eu até poderia ir comer aqui em POA mesmo.
Mas na verdade, queria comer lá em Gramado, com uma cia maravilhosa... Ai que a coisa complica...

- Eu nem ligo pra futebol, mas como é Copa do Mundo eu me animo, Mas ontem foi desesperador não foi?
Se a gente leva gol da Corréia, imagina de outro País com time de verdade?

- Se os coreanos trocassem as camisas no intervalo e voltassem com o time todo diferente, ninguém ia notar a diferença. Com exceção do feioso que chorou durante o hino.

- O que era aquele casaco do Dunga senhor????

- Este post (inútil) foi feito via email (pq agora eu sou chick benhê), e depois eu faço um passo a passo de como fazer... Mas é facim, acredite se eu consegui, qualquer um consegue rs.

segunda-feira, junho 14, 2010

Email

Descobri como postar via email! Agora ninguém me segura hahahaha
 
PS1: Eu sei, eu sou lenta pra essas coisas
PS2: No escritório o blogger.com é bloqueado!
 
Eu sou super! \o/

quarta-feira, junho 09, 2010

Eu, no estado boa moça


Ahhh como é difícil essa coisa toda de ser boa moça!

Por mais que me pareça o melhor para mim agora,o melhor para o que eu quero. É inevitável que eu me pegue pensando no que eu posso estar perdendo estando assim nesse estado de inércia, apenas esperando o que eu de fato possa querer/merecer.

Vejo a vontade passar e não pego. Fico aqui esperando, que caia um raio no meio da minha
cabeça e me dê a conciência de que eu preciso para sair dessa coisa de não saber nada.

De fato eu sei que ir lá conferir é apenas um risco de ser nada novamente, mas como saber se é? Eu não sei lidar com isso,eu sempre fui lá ver, sempre fui ali conferir, mesmo que depois eu colasse os eventuais cacos. Sempre fui de ação e não de espera.

Sempre fui de certezas (nada certas) e não de dúvidas (essas agora certas). Eu não sei
como lidar com o sentimento de as coisas estão acontecendo e eu estou aqui querendo algo
que nem sei ou certo se há de vir de algum lugar.

O ando sentindo é apenas querência ou é algo mais que vontade?

Como decobrir a resposta sem ter que me expor mais do que eu ando disposta, e correr os
riscos que estas suposta exposição pode me trazer?

Há de fato recompensa para os bons?

Eu não sei, e ultimamente não saber anda me sendo constante.

quarta-feira, maio 26, 2010

A quadrilha – Da vida real


Bernardo que gosta de Mariana

Mariana que gosta de Gabriel

Gabriel que gosta de Victória

Victória que gosta de Bernardo



O Bernardo em questão é meu filho... Porque desde pequeno os amores são complicados?



PS: Imagina meu susto com a confissão de que ele estava apaixonado?!

quinta-feira, maio 06, 2010

Boa menina, que seja eterno enquanto dure...


Eu fiquei assustada, mas não foi assim logo de cara. Primeiro fiquei ofendida. Depois anojada, da situação, de mim... E quando compreendi que tanto o que me anojou quanto o que me ofendeu não era nada novo, era algo dentro do comum, do normal... Do meu normal vejam bem, quando eu consegui compreender isso... Eu me assustei.

Foi ai que a coisa pegou e que começaram a jorrar perguntas (na sua maioria sem resposta). A mais importante claro a respeito do porque ter me ofendido, enojado e assustado tanto. Nesta eu pude obviamente chegar a conclusão (que foi particularmente dolorosa) de que eu nem quero e nem preciso mais de situações como a do fato. Que no fim acabavam por me deixar cada vez mais vazia. Eu mudei. Na verdade apenas (e como uma apenas pode fazer uma grande diferente) mudei minha visão sobre mim. Parei de me ver como um belo exemplar de cachorra. Foi isso, eu que antes me gabava de me bastar, de me contentar e de que me servia só o que queriam me dar, mudei. Não me basta mais, não quero mais e principalmente não me vejo mais assim. Eu mereço mais.

Se quero (ou preciso – mas isso é assunto pra outra hora) algo em específico, não da e nem tem sentido ir sempre completamente contra a isso. Se acredito mesmo que preciso de, devo então me focar e agir (mesmo que no momento o agir signifique não fazer nada) de modo a atingir isso. Seja por méritos meus, seja por alguém em algum lugar achar que é de merecimento. Ou quem sabe seja pela união dos dois.

Sinceramente nem sei bem a razão, mas passei muito tempo acreditando que não merecia mais do que as escrotices que me ofereciam. Baixa autoestima? Culpa dos relacionamentos fracassados que no final me deixavam me achando menos que o nada? Culpa minha mesma que em função destes relacionamentos, engoli meu orgulho, minha autoestima e o cadim de dignidade que eu pudesse ter, que em nome de uma possibilidade de salvação, que no fim se tornava minha danação? … Ficaria aqui horas apenas especulando... Mas importa descobrir o ponto? De uma forma ou de outra o importante é que, invariavelmente, a CULPA É MINHA.

Então mais petrificada fiquei quando que para conseguir as minhas precisâncias, eu deveria ser uma boa moça. Sabe, não santa. Mas tem mesmo necessidade de fazer a jaca de pantufa sempre? Preciso mesmo me auto sabotar? E principalmente, migalhas realmente me alimentam? Não sei qual foi o botão que ligou aqui dentro, mas sei que as migalhas não me servem, sei que não vou mais fazer este papel de cachorra, pois não cabe mais em mim. Porque não me vejo mais desta forma. E talvez demore algum tempo para descobrir o que em mim mudou (e talvez eu nem descubra)

É isso. Parei de flertar com o guri comprometido do escritório, simplesmente porque é divertido e me faz bem ao ego. Chega de me contentar com fast food que no fim acabam nem matando a fome e nem sendo saborosos. E definitivamente, nada, mas nada da nova comida mexicana Tacos Moles (como diria Clara-Lu). Acabou-se a fase de topar a parada. Foi pro beleléu a cachorra que morava em mim. Clara-Lu me falou a pouco no nosso msn corporativo que alguém lhe disse que temos que oferecer aos outros o que queremos em troca. Utópico eu sei, e completamente rosa. Mas quem sabe não seja o certo? Eu passei tanto tempo não oferecendo nada, e aceitando qualquer coisa que me dessem que a rotina, tornou-se um hábito. É hora de oferecer o que quero, e nada de aceitar menos que isso em troca. Pelo simples fato de que eu não mereço menos que isso.

Essa mudança não esta sendo tão simples quanto aparenta, é complicadíssimo. Dói admitir algumas coisas sobre mim e o pior me deixa meio perdida, pois não sei como agir sendo uma boa moça (talvez eu perca metade dos meus parcos leitores depois disso rs). Eu ainda tenho que lidar com o que eu quero versus o que eu preciso. Eu ainda tenho que conseguir enxergar exatamente o que eu preciso, quais as minhas precisâncias...

Sabem qual o mais irônico? O que eu acredito precisar é tão simples que acaba complicando tudo e se tornando difícil. É muito mais fácil ter de alguém o que se quer, mas o que se precisa é duro. Pois acaba que os quereres vem da nossa superficialidade e nossas precisâncias de algum lugar bem mais fundo, que estou descobrindo (enfim!) só agora.

Confusão não? Eu apenas mudei de padrão, não de personalidade.

domingo, abril 18, 2010

Azar ou teoria de conspiração?


Diz a Clara-Lu que coisas boas só começarão a acontecer na minha vida quando eu parar de ser escrota com os outros. E olha que eu nem ando sendo escrota (coisa que ela obviamente não concorda – é meu super ego, fazer o que?). Claro que não concordo com essa teoria, ou alguém me explica todas as coisas boas que aconteceram com as pessoas que foram escrotas comigo? Se a vida é injusta, porque nunca ela é injusta ao meu favor?

Como não acredito na teoria apresentada belo meu super ego. E acho muito cuti cuti essa coisa de que a vida é boa só para quem é sempre bom (afinal todo mundo tem seu diabinho de estimação), concluo que eu sou o ser mais azarado que eu conheço em toda face da terra.

Só isso para explicar que eu tenha viajado uma semana a trabalho e tenha conhecido o ser mais lindo que eu vi em carne e osso na minha frente. Com todos os “coisos” que me atrai, desde a altura, passando pela cor da pele e cabelo, acabando nos dentes perfeitos e olhos pequenos e puxadinhos. E ele simplesmente seja casado, apaixonado pela mulher (ok que é casado apenas há um ano e tudo é lindo...), mas precisava ser absolutamente caxias e nem um cadim cafajeste?

Precisava ser azarada o suficiente pra depois de ter superado o susto do cara mais lindo que vi em carne e osso na minha frente ter dona e enfim me dar conta que já que eu tava longe eu tinha mesmo que me divertir. Precisava depois de ter escolhido tanto, ainda ter escolhido o taco errado. Que mesmo depois de ter tentado tanto, noite toda, o taco não tenha funcionado nem com reza, nem com choro, nem com vela, nem com comprimido azul (ops comprimido azul eu não tinha pra tentar...) Precisava depois de eu estar frustrada, entediada e louca pra apertar o botão de ejetar dele ele quisesse dormir abraçadinho pra compensar? Que compensar o que criatura? Se eu quisesse compensação eu fazia sozinha!

Mas, precisava mesmo???

Ok. Agora eu fui escrota o suficiente pra aceitar que todas as coisas ruins que me acontecerem daqui pra frente seja resultado de uma conspiração do mundo e de todas as pessoas rosa que eu nem conheço contra mim e minha escrotice. Mas só agora ta?

domingo, abril 11, 2010

quinta-feira, abril 08, 2010

Impasse



Eu ando com tanta vontade de escrever, mas tanta... Mas não sai. Nem uma palavra, zero. A fonte secou?

Acaba que todas essas palavras não ditas encontram outro caminho para serem extravasadas. Lágrimas. Nunca chorei tanto! Lendo textos alheios, lendo coisas antigas, e-mails, relendo histórias vividas e não vividas... Uma merda!

Lágrimas por coisas que já vivi, pela droga toda do momento. Pelos 31 que já pesam sem o porto (o alegre, o seguro...). Pelo restinho da esperança de segurar a força o sentimento da esperança em mim. E junto pelas palavras que quero escrever e não escrevo.

Eu não vou dizer que eu volto. Porque eu não sei. Se a fonte secar e tiver irrigado as ideias, talvez. Enquanto eu continuar ridiculamente muda, não.






quinta-feira, março 25, 2010

Há 31 anos, de cabeça para baixo e aos berros me trouxeram para esse mundo louco!
(Acho que as coisas não mudaram muito até aqui...rs)

quarta-feira, março 03, 2010

A quem eu engano?





Mesmo que eu faça essa minha cara de blasé. E diga que eu não to ligando. Que a esperança ta trancada no escuro. Eu sei. Vocês sabem. Que no fundo to de dedos cruzados nas costas.






" Desistir não é nobre. E arduamente, não desistimos" Caio F.


quinta-feira, fevereiro 18, 2010

O gato comeu...

Inspiração, sabe? Então... Sumiu...




Ando meio fatigado de procuras inúteis e sedes afetivas insaciáveis."
Caio F.

quarta-feira, janeiro 06, 2010

Ano Novo II


Mas então que vem a realidade. E ela não nem parecida com o sonho. É tão cruel. Dói. Chega a doer fisicamente. Ao ponto chegar a olhar para o céu e perguntar: “ainda não esta bom?” Será que tem realmente alguém, alguma coisa lá que olha por mim? Meu karma seria tão grande que em mais de 30 anos não deu para pagar? Já não chega de cinza? Por quanto tempo ainda vou ter que bater os pés e as mãos desesperadamente para não me afogar? Quando vem o meu bônus por não fazer maldade, por não maltratar animais, não poluir o meio ambiente, não beliscar criancinhas?

Quando vão parar de dizer que tem gente pior? Tem horrores de “gentes” piores, mas eu não posso resolver o problema de ninguém, eu tenho é que me preocupar com os meus e tentar sobreviver. Quantos sapos ainda estão previstos no meu cardápio? Porque sabe, eu to cansada. Cansada mesmo, como nunca estive antes. Não é aquele cansaço físico. É a exaustão da alma, da crença, da fé. Total ausência da esperança.

Sempre, quando algo bom acontece, penso “é minha última chance”. Então agarro com unhas e dentes essa “chance”, de fazer, de conseguir, de ser feliz, de ser. Mas acho que agarro tão forte, tão apertado... que faço essa coisa, essa chance, virar pó. Puft! Desaparece como fumaça na minha frente. Então sofro como uma cadela, choro, me quebro em mil pedaços pra me colar depois. Fica o vazio que dói. Só que agora não é isso. É pior. Não há chance, não há coisa alguma. Nada pelo qual chorar não ter conseguido agarrar, fazer, conquistar, ser. Simplesmente nada. Só a fumaça. O vazio que dói a ponto de latejar aqui dentro. As lágrimas engolidas que se juntam na garganta e eu quase não respiro. Nenhuma “última chance” pra tentar pegar com unhas e dentes... Sem Puft! “Parece cocaína, mas é só tristeza.”



"... tenho uma coisa apertada aqui no meu peito, um sufoco, uma sede, um peso, não me venha com essas história de atraiçoamos-todos-os-nossos-ideais, nunca tive porra de ideal nenhum, só queria era salvar a minha, veja só que coisa mais individualista elitista, capitalista, só queria ser feliz, cara." Caio F.

sexta-feira, janeiro 01, 2010

Ano Novo


Primeiro de janeiro de 2010. Eu acordo despreocupada, pois meu chefe me informou que neste ano meu salário será quadruplicado e que receberei premiação por todo meu esforço. Tenho agora então mais motivos para fazer o que eu já gosto de fazer. Todos os meus processos estão fluindo maravilhosamente bem, ninguém empaca minha vida, e eu não tenho que esperar as providências alheias para tocar me frente minha rotina. Com o aumento de salário, não tenho mais dores de cabeça com as minhas contas, não tenho mais que ajustar meu orçamento e me esgoelar no final do mês. Não da pra virar madame, mas nunca quis realmente isso, mas dá pra ter a minha casa, o meu canto, o meu carro e ainda sentir alguns pequenos prazeres, me dar o direito de algumas futilidades. Tranquilidade.

Estou 10kg mais magra. Minha celulite evaporou com uma nova técnica. Posso dar pulos que minha bunda não se mexe. E agora com os braços definidos, dou tchau para todos os que conheço e os que não conheço. Meu cabelo esta lindo, hidratado e liso, sem que eu preciso morrer com o secador na mão. E eu me sinto ótima! Vaidade.

Já ganhei meu bônus de ter sido uma boa menina, enfim me acertei com o homem da minha vida, depois de tantos trancos e barrancos. Moreno, obviamente! Ele não é perfeito, não é rico e não é lindo. Não suportaria um homem perfeito. Tem defeitos, que aprendi a administrar, ele tem a tão falada estabilidade financeira e principalmente a tão esperada estabilidade emocional. Não faz jogos, não diz nas entrelinhas, apesar de entender as minhas. Ele me ama e me quer, do jeito que eu quero que me amem e me queiram. Não gosta de tudo que eu gosto, que é pra não enjoar, mas eu sei que não vai me magoar por maldade e não vai me ferir no final. Não é lindo, mas tem um charme sem igual, adora sushi, usa calças jeans justas com camisa para fora e incrivelmente sabe combinar os sapatos com as meias. Adora meu filho e ainda não decidiu se quer ter os dele. Um nosso é algo a ser discutido, mas que não é motivo de conflito. Estamos planejando juntar os trapos e eu sei que no fim dará certo. E mesmo depois de muito tempo, ele ainda fará minha respiração ficar suspensa. Ainda sinto formigamento nas mãos. Conhece cada pinta do meu corpo e nunca irá perder o tesão por mim. Toda a minha angustia se esvaiu pelos meus poros, todo meu medo evaporou como fumaça e toda minha fome foi saciada. Amor e Paz.

Minha mãe deixou de lado toda a amargura que lhe possuía a alma, e reaprendeu a viver. Tem uma saúde de ferro. Faz diversas atividades e no momento esta terminando o curso de artesanato que sempre quis fazer. Planeja uma viagem com as amigas e nem de longe lembra aquela pessoa infeliz que vagava pela casa. Minha irmã ganhou na loteria e vive muito bem obrigada. Meu irmão que quase já não da sinal de vida, deixou de ser um bundão e foi fazer tudo que empurra com a barriga. Nos encontramos esporadicamente, como deve ser em família. E ninguém incomoda mais ninguém. Harmonia.

Bernardo... Bem, Bernardo continua o mesmo, com um pouco menos de manha, um cadim menos da sua timidez e um tiquinho menos de genialidade leonina. Tenho certeza que terá boa saúde para sempre, que realizará todos os seus sonhos. Que será bem sucedido e feliz. Nunca lhe faltará nada. Assim como sei terá suas pedras no caminho, pois é preciso te-las para aprendermos a levantar. Mas vai se levantar com facilidade. No seu caminho só terão pessoas boas. Não se envolverá com drogas, não terá o coração machucado. E viverá 100 anos, com lucidez e saúde. Felicidade.

Aquela mesa de canto com Clara-Lu, Mônica, Candice, Annna, não é mais desejo. Vai ser bimestral e cada vez em uma cidade diferente! Paramos de nadar no raso. Matamos nossa fome. Atingimos nossas metas. Encontramos nossos caminhos... Mas continuamos assertivas como antes. Clara-Lu encontrou seu porto e sua calma. Mônica sua tranquilidade numa historia antiga. Candice esta quase de malas prontas para estudar na Espanha. E Annna, por incrível que pareça convenceu o namorado, a mãe, o cachorro e o gato a mudarem para o Sul, mas continua falando sem parar. Renata e Mila são minhas vizinhas de porta. Cada uma com seu cada qual. Encontro ambas todas as sextas, pois Renata dança aos sábados e para Mila este é o dia da “loucura de amor”. Honey esta chegando em turnê na cidade. Trapézio e malabares são as especialidades dela. Estou planejando, para o final do mês, uma festa com todos estes tipos tão diferentes e tão iguais. Amizade.

Neste ano novo, todos os meus ex escrotos se estreparam. Foram chutados, magoados, traídos ou faliram. Cada um onde aperta o seu calo. E eu tive a minha vingança. Porque não virei santa, nem cor de rosa. Ainda acho que aqui se faz e aqui se paga. Como Murphy felizmente esqueceu de mim, já era hora dele se preocupar com outras pessoas. Justiça (a minha).

Tenho todos os livros dos meus autores preferidos. Ainda amo Caio F., mas as coisas que ele escreveu já não caem mais como uma luva na minha vida. Clarice não me perturba mais, me parece agora uma lembrança distante de um tempo complicado, mas que me trouxe até aqui. Conquistas.

Aquele buraco que teimava em crescer no meu estômago foi preenchido por borboletas. Aquele bolo que insistentemente me trancava a garganta foi dissolvido por todas as taças de champagne que tomei em cada um dos “tim-tim” de comemoração. Seja por um desejo realizado, seja por uma conquista alcançada, seja para brindar um amigo. Ou simplesmente pelo prazer de sentir as bolinhas fazerem cócegas na garganta. Prazer.

É primeiro de janeiro de 2010 e eu (ao que parece) encontrei a plenitude.


Porque minha gente, SONHAR NÃO PAGA IMPOSTO!

Que em 2010 possamos sonhar e realizar quase todos eles. E que provemos muito do delicado da vida!



PS: A única coisa que não exagerei no sonho ai em cima foi o cabelo. Começo realmente com um corte novo (infelizmente ainda não inventaram a pílula do cabelo liso, ainda encaro o secador), mas ele esta bem mais curto, na altura do pescoço...(depois eu mostro para vocês).