quarta-feira, fevereiro 28, 2007

Hipe! Hipe! Urra!!

Meus amigos são todos assim: metade loucura, outra metade santidade.
Escolho os meus amigos não pela pele nem outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito ou os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.
Deles não quero resposta, quero o meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco!
Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta.
Não quero só o ombro ou colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos, nem chatos.
Quero-os metade infância e a outra metade velhice.
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto.
E velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou.
Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos.
Nunca me esquecerei de que “normalidade” é uma ilusão estéril.

Oscar Wilde

Essa amiga com certeza escolhi pela loucura. Uma louca tão igual a mim. Que entende, porque também vive isso, o que é ter um amor e não querer-lo de volta. Que não condena nenhum ato surreal meu, pois ela mesma seria capaz de comete-los. Que gasta horrores em conta telefônica, pois quis o destino que morássemos longe. E se morássemos perto viveríamos bêbadas e roucas! A pessoa que tem a gargalhada mais gostosa e mais longa que eu conheço.

Louca de pedra. Como eu. Verdadeira ao extremo. Como eu. Acho que por isso a amo (sim amo, declaração de amor rasgada e explicita). Porque ri comigo, porque sei que pode chorar comigo (se bem que a gente fala tanta coisa que chorar vai ser difícil). Encontro de almas. Irmã gêmea separada na maternidade e criada longe. Assim é ela. Metade loucura, metade santidade. Nem seu gosto por vestidos de oncinha me abala! Mas as sandálias de salto de acrílico transparente eu mandei ela jogar fora, era demais pra minha cabeça!

Então, todos dando muitos vivas \O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/ a essa louca maravilhosa!

Um comentário:

Hoppus disse...

Juntandos os 2 posts

"Nossa", é uma onde que anda invadindo os blogs femininos por onde passo??

o sentimentalismo tá aflorando em todos eles e, na maioria, de forma negativa, mas enfim minha linda, o que posso te desejar à distãncia é, força, sabedoria, coragem, e discernimento.

Bejinhu!