quarta-feira, setembro 26, 2007

Ta na idade...


Não sou moralista. Longe de mim cuspir pra cima. Porque corro o sério risco de ficar com a cara babada. Mas não entendo quando vejo uma mulher dizer, vamos sair pra “caçar”, sendo o principal motivo da festa beijar na boca e não divertir-se. Não vou pra balada pra beijar na boca (se bem que ultimamente nem pra balada tenho ido), vou pra extravasar, dançar, enfim, me divertir. Claro que já fui uma adolescente idiota e beijar na boca já foi o mais importante. Mas a fase de boba já passou, há mais de 10 anos. E nunca, em nenhum momento mais idiota meu, beijei mais de uma boca por noite. Acho o fim, sem moralismo com quem beija, afinal cada um mete a boca onde bem entender, mas acho realmente o fim o infundado “pegou quantos?”.

Minha mãe e eu discordamos de quase tudo, mas se tem algo que nós duas podemos dizer que estamos de acordo é quando ela diz “mantenha a dignidade”. No meu caso nem sei se é fundamentalmente dignidade, mas tenho orgulho de mais. Isso eu garanto. Já liguei para caras que estava a fim. E esses mesmos caras já não me atenderam. Só que não ligo incansavelmente para algum cara, nunca passei a noite ligando e ouvindo recado de secretária eletrônica. Se algum desses não me atendeu por estar no banho, por estar enterrando a avó, por ter sido voluntário num desastre de avião... Quando retornou a ligação encontrou a secretária eletrônica. É orgulho. É “dar-se o valor”. Mas isso não foi da noite pro dia. Aprendi depois de muitas chamadas minhas não atendidas. Depois de muitos “não se dar valor” jogados na minha cara. E pra ficar melhor a situação, hoje raramente ligo pra alguém. E não é por cu doce. Eu simplesmente acho que não tenho o porquê de fazer isso.

Já levei muitos foras da minha vida. Já fui deixada, das piores maneiras. Sofri cada uma dessas oportunidades como uma cadela. Sofri. Sozinha em cima da minha cama. Lavando meu travesseiro e esmurrando as minhas paredes. Pra geral? Estava ótima. Aos amigos me acabava em porquês, em palavras pra crucificar o desgramado. Algum desses causadores de sofrimento soube? Um ou dois na minha retardada adolescência. Hoje me acabo por dentro, mas a casca esta intacta, sem nenhum arranhão. Amor próprio de mais, orgulho em doses colossais. Mas antes de tudo, a tal dignidade que minha mãe fala. O assumir que “ele simplesmente não esta afim de você”, e não é rastejando, implorando, ligando madrugadas inteiras, virando “a chata”, que isso vai mudar. Ele continuará não estando a fim de você. Só que agora falará pra todos o quão desesperada (provavelmente dirá desesperada por sexo) você é. Isso apenas aumentará o ego dele, na mesma proporção do despreso. Nada é indolor. Dói igual. Mas com certeza, mantermos a pose, evita que façamos papel de ridículas.

Mais uma vez eu digo, longe de mim esse moralismo todo. Não posso. Não tenho um passado que me deixe atirar a primeira pedra. Eu que ando cansada de tudo isso. De coisas vazias, de beijos em bocas sem sentido. Em baladas onde a música que toca é menos importante do que o percentual de homens pegáveis por metro quadrado. Ando trocando qualquer baladinha meia boca, por um programa com amigas em um boteco que certamente não terá nenhum homem que se possa olhar duas vezes, pelo simples fato de me parecer mais interessante rir, conversar, beber, saber da vida de cada uma delas e é claro, falar de homens... To preferindo ficar em casa ao bar cult da moda, recheados de bons partidos, onde possa quem sabe beijar umas três, quatro bocas...

To na idade. To ficando velha pra tanta coisa vazia.

4 comentários:

Vivi disse...

entao somos duas...so tem dias que lamento meus papeis na adolescencia..Mas essa fase faz parte né...
Hj tenho orgulho de mais...o prblema é tambem a minha dose de amor exagerada....
ah, sou uma coisa estranha mesmo...
Mas o teu post ficou otimo...
Otima semana....

Amanda_Bia disse...

sabia que eu sempre fui assim?! via minhas amigas ou conhecidas sofrendo por caras idiotas e achava aquilo tão ridiculo que nunca consegui ser como elas! sempre tive orgulho demais! nunca deixei tranparecer p/ nenhum garoto que eu gostava dele até ter certeza de que ele tb gostava de mim! sempre fui assim e acho que sempre vou ser! a gente se protege e não deixa de aproveitar! eu pelo menos acho que não!
beijos!

Thiago Augusto" disse...

heuhhuhehuehue
Todo mundo realmente põe a boca onde quer!

Autentico disse...

Engraçado mesmo... Todos concordam. Será? Ou será apenas puxa-saquismo mesmo? Vamos concordar e discordar um pouquinho... Tá certo realmente não se pode colocar como alvo uma boca na balada... É desprezo c/ a companhia de teus amigos, falta de amor próprio (se eu não pegar ninguém não to feliz). Agora tbm é verdade que se rolar um flerte daqueles no final da noite acabamos nos engolindo é bom d+! Eu não procuro o amor da minha vida na balada, mas não fujo dela só p/ ser auto-suficiente... Boteco é bom! ... Na hora certa! Balada é bom! ... tbm na hora certa! Feliz sou eu que passeio e sei realmente aproveitar qualquer ambiente. Agora orgulho d+ estraga... Nunca liguei mais de 3x numa noite p/ alguém, mas me certifiquei no mínimo que os banhos da vida não me afastaram de quem eu queria... "Desce do trono rainha desce do seu pedestal, de q adianta ter tanta beleza? Deus tbm desce do céu”.