quinta-feira, setembro 27, 2007

Roda Viva


Então a vida é isso. Nascemos. Crescemos. Brigamos. Escola. Nascem pelos. Mestruamos. Engrossamos a voz. Brigamos com o cabelo. Escolhemos entre o certo e o errado. Brigamos com os sentimentos. Os seus. E dos outros. Estudamos. Trabalhamos. Beijamos. Trepamos. Fazemos amor. Sorrimos. Choramos. Amamos. Odiamos. Desprezamos... Sentimos. Temos ou não filhos. Temos ou não companheiros. Envelhecemos. Vivemos... Ou não... Vamos girando a roda da nossa vida, como aqueles ratos brancos de laboratórios. Ora de forma entediante. Ora de forma frenética. Depende da “droga” que nos alimenta naquele momento. Mas sempre girando. Muitas vezes no automático.

Então a vida é isso? Sem mágica? Mas ao mesmo tempo tão ilusória. Tão fugaz. É o momento (?). O agora (?). O já (?). Tentamos uma forma equilibrada de viver o hoje e garantir o amanhã. Queremos sempre mais. E nunca encontramos o tal mais.

Então a vida é isso: Rodamos em desespero dentro de nossa gaiola, girando essa roda atrás de algo que nem sabemos o que é. Simplesmente porque é assim que tem que ser feito. É assim que sempre foi feito.

Então a vida não é nada disso? É aquilo que fazemos por impulso. É o beijo roubado. É o beijo dado com gosto. É olhar o filho dormindo. Lagartear no sol. Não ter hora. Cinema. Pipoca. Guaraná. Passeio no Zoológico. Parque de diversões. É rir até a barriga doer e as lágrimas escorrem. São os amigos. É beijar na boca. Fazer amor. É ficar parada olhando o pôr-do-sol e sentir paz. É tomar banho de chuva no verão. É não ter hora pra deitar. Nem levantar. É deixar de lado os compromissos. Se encher de sorvete de chocolate. Comover-se com bobeiras. Ligar o famoso botão. É ter a certeza que tudo passa. Ou não. Mas mesmo assim achar que vale a pena. Melhor. Ter alguém que nos convença que tudo passa, quando o mundo despenca na cabeça. Dar-se o luxo de ser fútil. De ser séria. De ser. Ou de não ser. De não ser política. De não ser cordata. De não ser “gente grande” o tempo todo. De não querer. Ou de querer. De querer ser fraca. De querer ser forte. De querer ser conteúdo. De querer ser casca. E simplesmente ser...


Então a vida é isso: A vida é. Ora a gente gira na roda do laboratório. Ora a gente faz motim. Ora ratos brancos. Ora ratos coloridos... Azul, rosa, amarelo... Que cor você prefere?

5 comentários:

hashmalim disse...

A vida é SER, pra SER vivida! Não importa de qual maneira, o importante é viver tudo e nos permitir o luxo de viver no minimos detalhes!

Nada de prisões na cabeça! As cores elas existem pra serem compartilhadas com todos!

Mesmo os peões e analfabetos são seres vivos com as cores particulares do mundo deles!

SER livres, tolerantes,amaveis e politicos é nescessario tambem isso ai ser politicos!

Sim porque na hora da morte ninguem escapa e ninguem leva no caixão nada, alem que o proprio corpo que vai se transformar em poeira!

Por isso a tolerancia e o amor por todas as cores, sobrevive, deixado em energia no ar nas pessoas que deixamos na fila da espera do dia final!

SER e viver sempre!

Beijo

(marta) disse...

eh
acho que todo dia é dia de escolher como voce vai encarar a vida.
as vzs acho que ser fatalista, ser existencialista é ate mais facil...
mas eu..particularmente
ainda gosto de me deliciar com a risada de um bb. ou me divertir hoooras com uma coceirinha no pé.
e ate com o ejito que o vento faz carinho no meu rosto..

ah..desculpa entrar sem bater:/
http://martaentreparenteses.blogspot.com/
;*

Amanda_Bia disse...

eu sempre tento ser um ratinho colorido, mas acabo sempre sendo cinza mesmo! nem branco é...
a vida é estranha! e tô começando a me cansar de entender ela!
beijos!

Estava Perdida no Mar disse...

Realmente, acho que está na hora da senhorita escrever um livro.
O senhor Fernando Abreu anda lhe inspirando muito...
Que bom
Beijos

Isabella disse...

Eu prefiro a cor rosa.
Nada de cores escuras,pra escurecer a vida.
belo texto!

bjs