quinta-feira, outubro 26, 2006

Vou gozar com meu ego. Ou então... Me achando a bolachinha de chocolate mais recheada do pacote!


Você tentou com todas as suas forças me fazer achar que toda a culpa por tudo que deu errado era minha, tentou que eu acreditasse que minha vida era ótima e eu tinha estragado tudo. E eu confesso, por breves momentos você até conseguiu... Eu disse por breves momentos... Pois (da licença que meu alter ego vai entrar em vigor) eu sei a mulher maravilhosa que sou, eu sei o conteúdo que tenho, eu sei que posso fazer rir, eu sei que posso ter papos profundos e filosóficos, eu sei que tenho conteúdo pra conversar horas com alguém, eu sei do meu potencial, porque o quase pra mim não existe...

E você? Você nem entendeu o que eu quis dizer quando disse que você me dava asco, simplesmente porque você não sabe o que essa palavra significa. Você não sabe rir de uma piada inteligente, você só ri no meio de um bando de homens suados falando abobrinhas (este é o seu mundo!). Papos profundos? Com você? Impossível se nem os superficiais rolam, pois você na ausência do que saber falar virou um monossílabo! Ah e claro, você é um quase completo, um quase-mediocre! Porque nem pra ser medíocre completamente você foi capaz. Com toda essa banca de eu sou bom, eu sou certo, eu sou correto, você tentou esconder quem era de verdade, e até conseguiu, mas querido, é fato, ninguém consegue enganar sempre. Um dia, a ausência de palavras deixa de ser mistério e passa a ser falta de conteúdo, um dia essa introspecção deixa de ser bonitinha e passa a ser falta de conteúdo, um dia a pele de bom moço deixa de existir e passa a ter conteúdo de mais, um conteúdo medíocre é verdade.

Você super estima o ter, e esquece que antes de tudo é preciso ser. De que adianta ter tantas coisas e ser tão pouco? Perdi a contas das vezes que li algo interessante, vi um filme interessante, quis comentar alguma matéria com você, mas deixe pra lá por achar que você não compreenderia? E me culpava disso, por querer de mais de você. Quantas vezes deixei de contar coisas sobre mim simplesmente porque você iria me achar uma louca-insana, com medo de “o que ele vai pensar de mim?” E me culpava por ser tão antítese sua (e com certeza você não deve saber o que essa palavra significa tb). Aliás, eu tenho uma lista de palavras que parei de usar porque simplesmente você não entendia o significado delas, deveria ter te comprado um dicionário! Entenda, errado não é não saber e sim não querer aprender... Mas meu caro, eu posso ser uma louca-insana, mas você é, desculpe dizer, provinciano. Eu sei que você gosta de vida sem loucura, só que pra mim a vida sem loucura não existe, é chata, e nos enterra, e quantas vezes me culpei por não ser essa pessoa certinha que você almeja.

Lógica? Que se foda a lógica. Eu não tenho tesão nenhum em separar o certo do errado. Espero não agüentar mais a dor do caminho errado para mudar de vida, é só isso que acontece. E o caminho certo também não me dá muito tesão não. Era isso que faltava, você não tinha como sentir tesão por mim, porque não concordava com toda a minha loucura que não te mostrava e eu tentei sentir tesão por essa tua vida tão regrada. Eu queria sexo num sábado as 3 da madrugada, e você vinha com sexo numa sexta às 8 da noite... E você me culpava! E eu me sentia culpada! E eu tinha enjôos comigo mesma me achando o ser mais miserável do planeta!

Ah, mas não, dessa vez não!! Não tenho culpa de viver a vida, de entrar de cabeça em tudo, de me jogar sem garantias de rede de segurança, não tenho culpa de ser intensa. Eu não tenho culpa de ser mais do que ter. Na verdade eu tenho até sorte! Melhor ser assim do que ser meio como você, de meios beijos, meios desejos realizados, meios carinhos, meia entrega, meio SEM SAL!

Você já abalou tanto a minha vida. Que pena, agora você morreu. Eu cansei de ter que ficar explicando o que queria dizer, simplesmente porque você não entendia as palavras que eu usava e sinceramente você não entende nada de entrelinhas, eu cansei de ter que parecer mais burra do que sou, por isso acabo de matar você. Eu cansei de me culpar por querer evoluir simplesmente porque você estava estagnado (entenda, estou falando de ser!). Eu cansei disso também, de ter que usar parênteses para explicar tudo que eu queria dizer, simplesmente porque você não tinha a capacidade de entender nada que não fosse superficial. Eu cansei do superficial. Se formos pensar, nós dois, esse relacionamento, foi isso, superficial, ou você sabe algum dos meus sonhos mais secretos? Porque eu, eu não sei os seus.

Então, por favor, não me venha agora dizer que não vai devolver a chave da minha casa, simplesmente porque não decidiu o que você vai fazer. Leia os meus lábios e repita comigo: VOCÊ NÃO ESTA MAIS EM CONDIÇÕES DE DECIDIR NADA!

É isso, matei você, porque matei tudo que é superficial na minha vida, tudo que é morno, eu fervo, e quero ferver com alguém. Você esta morto, porque agora ou a pessoa vem ferver comigo na banheira, ou se afoga no seu vômito morno. E não, eu não vou te explicar o que isso quer dizer!

Um comentário:

Soraya disse...

UAUUUUUU!!!! Menina, tá certo que a situação é péssima, mas não dá pra deixar de admirar a tua capacidade de dizer coisas medonhas de uma forma tão elegante e inteligente. Boa sorte pra vc nessa nova etapa, acho que alguém com essem perfil não ia mesmo conseguir manter uma mulher como vc por muito tempo!!! Beijos!!!!