domingo, julho 24, 2011

Eu aviso antes, vai ser extremamente confuso tudo isso.



Eu quis tanto acreditar neste conto de fadas. Mas eu sei que contos de fadas não acontecem, principalmente na minha vida. Eu estou pagando muitas encarnações desastrosas pelo jeito. Você não tem pretensão de voltar para o Brasil. Eu não tenho como ir te encontrar. Há quase uma semana é como se não tivéssemos nos reencontrado. Assim como há mais de 20 anos, sumiu de novo da minha vida. Ou se deu conta deste engano antes ou é apenas mais um escroto. E ta doendo. Juro que ta doendo lá no fundo. Porque representou uma possibilidade, porque por pouco tempo foi mágico, foi exatamente o que eu precisava para dar um tom leve a minha vida tão tumultuada no momento. Porque era alguém que eu conhecia, que era legal, quer foi um nerd na infância, que fazia meus trabalhos de ciência e que nunca poderia ter virado um escroto. Claro, eu surtei, Aliás, quem não surtaria com aquilo tudo. Mas se me serve de consolo, se serve para aliviar qualquer coisa, eu não imaginei tudo isso. Não mesmo. Desta vez aconteceu e eu tenho todas as provas guardadas.  Poderia ter sido belo, poderia ter sido um balsamo. Poderia ter sido tantas coisas. Mas sei, ou pelo menos estou tentando me conformar, que não poderia ser real e muito menos eterno. Quem sabe (e eu inutilmente ainda não consegui me desapegar desta ideia ridícula) poderá ser uma epifania em dezembro. Mas até lá eu tenho meses pra me convencer de que SÓ poderá ser isso. Se não me convencer disso nunca poderia te encontrar. O melhor mesmo seria eu nem querer te ver. Mas ainda preciso trabalhar isso em mim, confesso. Se apenas te reencontrar virtualmente me desconpensou dessa forma, imagina o mal que não me causaria sua presença. Que mal eu mesma não me causaria.  Mas sabe eu preciso dizer, na verdade eu acho que eu preciso me dizer isso. Você poderia ter se dado conta disto tudo antes, você poderia ter visto que era uma loucura imensa, mas tinha que ter assumido que tanto eu quanto você perdemos o tom e contribuímos para isso. Acabou sendo mais um escroto como tantos outros que eu conheço. Depois de tudo, seria digno uma palavra. Silêncio não combinava com a situação. E mesmo sabendo que deveria ter te riscado da minha cabeça no momento que soube que você não se dá ao trabalho nem de responder para própria mãe! Eu sou fraca o suficiente pra assumir que não consegui. Que mesmo assim, eu não consigo de parar de sentir tudo isso, afinal não estaria sentindo se não fosse tão importante pra mim. Mas vai passar, todo sentir se esvai, mais cedo ou mais tarde. Dessa vez só vai demorar um cadim mais. Sinto que estava errada, no lugar de verborragia vem ai um ostracismo. Vou precisar mais uma vez me esvaziar. Um pouco do amor próprio escorreu. Mas não morri antes, em situações bem piores, não vai ser agora não é mesmo?

11 comentários:

Fernanda Iasi disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Carol Rodrigues disse...

Ai Jana...
Sei nem o que dizer. Mesmo porque, né? Eu vi as coisas e eu também acreditei e eu me sinto mal de ter botado pilha e no fim não ser nada daquilo... Mas isso não se comenta aqui né?
Deixa quieto... Mas é como vc disse ali: quem não surtaria?
Fica bem
bjos

Atitude: substantivo feminino. disse...

As vezes o ostracismo enobrece.
Igual o vinho que precisa ficar ali..curtindo no barril.

Anne disse...

A gente nunca morre mas, sinceramente?
É sempre uma merda isso!

=/

Luma Rosa disse...

Poxa!
Mas há de se dizer que foi bom enquanto durou, pelo menos isso!
Não responde para a mãe? Quem sabe está doente ou aconteceu algo sério? Não quero botar pilha, mas estranho isso.
Boa sorte!
Beijus,

Luiz disse...

Passados não voltam, Jana. Se voltam, têm a cara da atualidade. Não são mais passados.

Maria Fernanda Probst disse...

A gente precisa sentir pra saber que 'tá vivo. (:

Anônimo disse...

Eu diria, com um ar romântico: É o destinooo!rsrs
E a camila...apagou o blog e fez outro ou desistiu da vida blogueira?

Tathiana disse...

Gostaria de não entender tão bem... Mas entendo.
Bjs.

Jana disse...

Anonimo tem nome?

Respondendo, a Ca desistiu da vida de blogeira!

JULIE disse...

Juro que não sei qual é a sitaução em torno desse posto...presumo, mas nao faço ideia, mas te garanto que poderia ter sido escrito por mim numa situação recentemente vivida.
Tive até vontade de copiar e mandar por e-mail para a pessoa.
Comprei DELE uma ilusão...e tudo isso num encontro desses de internet... mas graças a Deus meus sentimentos em relação a minha situação já se esvaziou....
No meu caso foram 14 anos.... um reencontro depois de 14 anos...

Boa sorte para voc^e para sua situação.